terça-feira , 27 fevereiro 2024
Lar Em Destaque Pesquisadores afirmam ter descoberto o “gene da ansiedade” e como desativá-lo, especialistas alertam
Em DestaqueSaúde +

Pesquisadores afirmam ter descoberto o “gene da ansiedade” e como desativá-lo, especialistas alertam

Você já se perguntou por que algumas pessoas parecem ser mais propensas à ansiedade do que outras? Bem, um estudo científico pode ter descoberto um importante avanço nessa área. Uma pesquisa realizada por pesquisadores das universidades britânicas de Bristol e Exeter revelou a existência de um “gene da ansiedade” e como desativá-lo.
A ansiedade afeta cerca de um quarto da população em algum momento de suas vidas, muitas vezes acompanhada por ataques de pânico e transtorno de estresse pós-traumático. No entanto, a eficácia dos tratamentos disponíveis é considerada baixa, deixando parte dos pacientes sofrendo com os sintomas debilitantes.
 
A pesquisa se concentrou na amígdala cerebral, uma região do cérebro envolvida no controle das reações emocionais, como a ansiedade. Os cientistas submeteram camundongos a situações de estresse intenso e prolongado, e descobriram que cinco microRNAs, moléculas envolvidas na ativação de genes, estavam em concentrações mais elevadas do que o normal na amígdala desses ratos estressados.
A bióloga mestre em genética,  Bianca Pizzato afirma que o destaque ficou para um microRNA em particular, chamado miR-483-5p, que estava em níveis muito mais altos nas amígdalas dos ratos. Os pesquisadores identificaram que esse microRNA estava relacionado a um gene específico, o Pgap2, conhecido por desempenhar um papel importante nos episódios de ansiedade. A descoberta fundamental foi que quando os níveis de miR-483-5p estavam elevados, a expressão do gene Pgap2 era inibida. Isso resultava em uma redução significativa dos níveis de ansiedade nos ratos. O miR-483-5p, de certa forma, funcionaria como um “freio” que diminuía a atividade da amígdala, aliviando a ansiedade.
Ela destaca que esse resultado é importante para o desenvolvimento de potenciais drogas terapêuticas que tratam a ansiedade patológica, pois elucida mecanismos moleculares e genéticos envolvidos na resposta ao estresse prolongado. No entanto, especialistas advertem que é necessário ter cautela ao interpretar esses resultados. De acordo com o Pós PhD em neurociências, Dr. Fabiano de Abreu Agrela, a ansiedade é uma resposta natural do instinto humano, mas quando se torna persistente, pode moldar o cérebro de forma prejudicial. “Com esta cultura formatada como resultado do uso excessivo das redes sociais, ela vem sendo tóxica para as células cerebrais. Deve-se saber diagnosticar a ansiedade de acordo com o indivíduo. Por exemplo, pessoas da alto QI tem apreensão social maior do que o normal e isso não significa que sua ansiedade social deva ser classificada como um distúrbio”, salienta Fabiano.
Abreu explica que desativar o gene neste caso, quer dizer “ajustar” principalmente em pessoas cujas experiências traumáticas graves ou prolongadas superam os mecanismos de proteção da resiliência ao estresse levando à patologias. Bianca também ressalta a importância da interpretação cuidadosa desses resultados. Antes de pensarmos na aplicação de terapias gênicas para esse propósito, pesquisas futuras e estudos clínicos ainda são necessários. “Ainda há perguntas a serem respondidas: esses genes estão envolvidos em quais outras vias e funções neuronais? Existem outras opções para reduzir ou neutralizar os produtos desses genes que induziriam as alterações morfológicas necessárias para redução da ansiedade?”, complementa.

Embora haja ainda muitas perguntas a serem respondidas, esses avanços científicos são um passo promissor rumo a uma vida com menos ansiedade e mais equilíbrio emocional.
 
 
Bianca Ribeiro Pizzato é graduada em Ciências Biológicas, especialista em Biologia Molecular e em Reprodução Humana Assistida e mestre em Genética. Atuou como Analista de Laboratório na área da Genômica com Sequenciamento de Nova Geração e desenvolvimento do painel de genes de fusão utilizado no diagnóstico genético de tumores sólidos. Trabalhou na Universidade da Califórnia San Diego em projetos envolvendo inteligência artificial, terapia gênica e diferenciação de células-tronco pluripotentes. Acumulou experiência em instituições como Hospital das Clínicas da UFPR, Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Fixação Biológica de Nitrogênio e Laboratório de Imunoparasitologia Experimental da USP.
 
Sobre Dr.  Fabiano de Abreu
 
O Dr. Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues, é um Pós-doutor e PhD em neurociências eleito membro da Sigma Xi, The Scientific Research Honor Society e Membro da Society for Neuroscience (USA) e da APA – American Philosophical Association, Mestre em Psicologia, Licenciado em Biologia e História; também Tecnólogo em Antropologia e filosofia com várias formações nacionais e internacionais em Neurociências e Neuropsicologia. Pesquisador e especialista em Nutrigenética e Genômica. É diretor do Centro de Pesquisas e Análises Heráclito (CPAH), Cientista no Hospital Universitário Martin Dockweiler, Chefe do Departamento de Ciências e Tecnologia da Logos University International, Membro ativo da Redilat, membro-sócio da APBE – Associação Portuguesa de Biologia Evolutiva e da SPCE – Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação. Membro das sociedades de alto QI Mensa, Intertel, ISPE High IQ Society e Triple Nine Society. Autor de mais de 200 artigos científicos e 15 livros.

 

Artigos relacionados

Em DestaqueSaúde +

A insônia afeta a saúde do coração? Especialista explica como dormir bem ajuda na saúde cardiovascular

A saúde do coração é muito complexa por envolver diversos fatores, como...

Saúde +

Yoga e paternidade: Como a prática ajuda a fortalecer a conexão entre pais e filhos

A paternidade é um momento único na vida de um homem, envolve...

Em DestaqueSaúde +

5 Sinais não óbvios de que o estresse está afetando sua vida

Você tem passado por momentos estressantes no trabalho ou em casa, mas...

Em Destaque

Blitz do Fevereiro Roxo: Conscientização sobre Doenças Ocultas em Vespasiano

Uma mobilização intensa tomou conta da frente da Prefeitura Municipal de Vespasiano,...