sexta-feira , 23 fevereiro 2024
Lar Em Destaque “Neve de melancia” espalha-se pela América do Norte e pode ameaçar as geleiras
Em DestaqueMundo

“Neve de melancia” espalha-se pela América do Norte e pode ameaçar as geleiras

Biólogo Fabiano de Abreu Agrela alerta sobre o risco de derretimento polar

Conhecida popularmente como “neve melancia”, o fenômeno que vem acontecendo na América do Norte ocorre quando a neve no solo é tingida de um tom  rosado. Também chamado de “glacier de sangue”, seu surgimento marca o final da primavera e o início do verão no hemisfério norte, mas a intensificação da cor da neve e da frequência do fenômeno vem chamando a atenção dos pesquisadores.

De acordo com o Pós PhD em Neurociências e biólogo com especialização em genômica, membro da Royal Society of Biology no Reino Unido, Fabiano de Abreu Agrela, esse fenômeno é causado pelo florescimento de algas cor-de-rosa chamadas Chlamydomonas nivalis. “Essa espécie contém um pigmento carotenoide além da clorofila, conhecido como astaxantina. Na transição do inverno para o verão, as algas são aquecidas pela luz solar e adquirem uma coloração vermelha. Esse composto serve como protetor solar natural para as algas, protegendo-as da radiação ultravioleta (UV) nos ambientes de altitude elevada onde se desenvolvem. Ao contrário da maioria das espécies de algas que vivem em água doce, a Chlamydomonas nivalis é amante do frio, uma planta criofílica, encontrada em águas geladas”, explica o especialista.

Fabiano pondera que a “neve melancia” é observada no mundo há um bom tempo. “Uma das primeiras vezes que ela foi documentada foi através do Capitão John Ross, que  a registrou no Ártico em 1818, quando liderou quatro navios ingleses que partiram rumo ao Círculo Polar Ártico”, destaca Abreu.

O biólogo explica que esse fenômeno provoca o derretimento da superfície das geleiras, “Isso acontece porque à medida que as geleiras ficam coloridas, elas derretem mais facilmente, uma vez que as algas rosadas fazem com que a luz solar seja absorvida em vez de refletida, aquecendo o gelo. Elas utilizam a luz solar para converter dióxido de carbono e água em compostos orgânicos, fazendo fotossíntese através da neve translúcida”, acrescenta.

Durante o inverno, quando a neve as cobre, as algas ficam adormecidas. Na primavera, os nutrientes, o aumento dos níveis de luz e da água em estado líquido estimulam a germinação.  O que chama atenção é que a neve pigmentada tem um albedo (refletividade) mais baixo que a neve normal. Isso acontece por exemplo quando saímos com roupas mais escuras no verão e passamos mais calor, pois os tecidos mais escuros tendem a absorver mais calor ao invés de refletir.  “E como as células dessa planta precisam de água para sobreviver, este derretimento rápido estimula mais ainda o seu crescimento, escurecendo mais a coloração e absorvendo mais calor. É literalmente uma bola de neve” alerta.

Os cientistas descobriram através de milhares de imagens de satélite captadas entre 2019 e 2022 que das 8700 geleiras examinadas neste estudo, 4552 mostraram a presença de algas Chlamydomonas nivalis.

Mas Fabiano esclarece que em comparação com os efeitos das mudanças climáticas e do aquecimento global, o impacto das algas é considerado leve no derretimento das geleiras, mas não pode ser ignorado. Isso porque o aumento de CO2 na atmosfera (que causa o aquecimento global) faz com que as algas se proliferem mais rápido, impactando o ecossistema da região.  

Agrela ressalta que a neve rosada já pode ser vista nas montanhas da Colúmbia Britânica, Idaho, Estado de Washington, Alberta, Alasca e Montana. Além da Nova Zelândia, Alpes, Monte Olimpo e Antártida. Algumas geleiras estão com até 65% da sua área coberta de algas cor-de-rosa em uma única estação.

Sobre Dr. Fabiano 

Dr. Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues é Pós PhD em Neurociências eleito membro da Sigma Xi, membro da Society for Neuroscience nos Estados Unidos, membro da Royal Society of Biology no Reino Unido e da APA – American Philosophical Association também nos Estados Unidos. Mestre em Psicologia, Licenciado em Biologia e História; também Tecnólogo em Antropologia e Filosofia, com várias formações nacionais e internacionais em Neurociências e Neuropsicologia. Membro das sociedades de alto QI Mensa, Intertel, ISPE High IQ Society, Triple Nine Society, ISI-Society, Numerical e  HELLIQ Society High IQ. Autor de mais de 220 artigos científicos e 17 livros.

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Em DestaqueSaúde +

A insônia afeta a saúde do coração? Especialista explica como dormir bem ajuda na saúde cardiovascular

A saúde do coração é muito complexa por envolver diversos fatores, como...

Em DestaqueSaúde +

5 Sinais não óbvios de que o estresse está afetando sua vida

Você tem passado por momentos estressantes no trabalho ou em casa, mas...

Em Destaque

Blitz do Fevereiro Roxo: Conscientização sobre Doenças Ocultas em Vespasiano

Uma mobilização intensa tomou conta da frente da Prefeitura Municipal de Vespasiano,...

Em Destaque

Alunos de Vespasiano Embelezam Cadernos do Kit Escolar 2024 com Suas Artes Criativas

Nesta segunda-feira, 19 de fevereiro, o Paço Municipal de Vespasiano testemunhou um...