Descarte de medicamentos: aprenda a fazer de forma segura e consciente

Conheça os riscos de jogar remédios no lixo comum ou na rede de esgoto e saiba como fazer o descarte responsável dos medicamentos

Você já jogou fora um remédio vencido ou que não seria mais usado no lixo, na pia ou no vaso sanitário? Essa prática é comum, mas muitas pessoas não imaginam os riscos sanitários e ambientais desse ato. Saber como dispensar os medicamentos adequadamente é essencial para a saúde de seres humanos, animais e meio ambiente.

Bruna Diniz Oliveira, farmacêutica das Drogarias Pacheco, explica que, para descartar medicamentos de forma responsável, basta procurar os pontos de coleta presentes em farmácias e unidades de saúde. “Uma dica importante é deixá-los na embalagem original, como cartelas de comprimidos, cápsulas, frascos e tubos de pomadas ou cremes”, diz.

“Embalagens secundárias, como caixas e bulas, podem ser descartadas no lixo comum e reciclável, por não terem contato direto com o medicamento, logo, sem riscos de contaminação”, completa a farmacêutica. Nos pontos de coleta, basta seguir as orientações de registro e separação de embalagens e remédios, depositando nos locais indicados.

O processo que compreende o descarte de medicamentos é conhecido como Logística Reversa. “Nesse modelo, uma equipe recebe os medicamentos para descarte e os armazena em recipientes exclusivos para essa finalidade. Nas unidades do Grupo DPSP, o fluxo do Programa de Logística Reversa consiste no recolhimento do material e na sua incineração, cujos resíduos não oferecem mais riscos à saúde humana e ao meio ambiente”, pontua Bruna Diniz.

Riscos do descarte incorreto

Quando os medicamentos não são descartados corretamente, podem oferecer diversos riscos sanitários e ambientais. Essa é uma prática preocupante, pois expor agentes farmacêuticos ao meio ambiente de forma indiscriminada pode afetar ecossistemas locais e a saúde humana. Para se ter um exemplo, um estudo conduzido pela Universidade de York, no Reino Unido, em 2022, aponta que mais de 25% dos rios em todo o mundo estão poluídos por produtos como paracetamol, nicotina, cafeína, antibióticos, entre outros.

Se um remédio é descartado no lixo comum, as substâncias químicas dos seus componentes são levadas a aterros sanitários, prejudicando a qualidade do solo. Os agentes químicos ainda são capazes de atingir o nível freático do solo, afetando o reservatório de águas subterrâneas. Esse tipo de contaminação deve ser evitado ao máximo, uma vez que pode causar quadros de intoxicação e o desenvolvimento de bactérias multirresistentes. O cuidado é ainda mais importante para quem manipula o lixo, como catadores e garis, que correm risco de entrar em contato com as substâncias em decomposição, colocando a saúde em perigo.

Se os medicamentos forem despejados no esgoto, se diluem na água, tornando-se praticamente impossíveis de serem eliminados via filtragem. Nesse caso, a água é contaminada por agentes potencialmente nocivos e, mesmo após passar por processos de tratamento, pode retornar concentrada de resíduos químicos aos fluxos de abastecimento. De acordo com dados da companhia Brasil Health Service (BHS), apenas 1 kg de medicamento descartado no esgoto pode contaminar até 450 mil litros de água.

Bruna Diniz reforça que o descarte correto de medicações é um gesto de cuidado com a saúde de todas as pessoas e com o meio ambiente. “Ao combater a poluição e dispensar produtos de farmácia de maneira consciente, cumprimos nosso dever e ajudamos a preservar nossos ecossistemas. Portanto, nada de jogar remédio no lixo ou no esgoto. Vá aos pontos de coleta da Drogarias Pacheco e faça o descarte com responsabilidade”, conclui a farmacêutica.

Sobre o Grupo DPSP

Com a missão de proporcionar qualidade no atendimento, cuidados com a saúde e bem-estar a todos, o Grupo DPSP nasceu em 2011 e conta com as redes Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo. A companhia é um dos principais players do varejo farmacêutico com aproximadamente 1.400 lojas em 8 estados do Brasil, além do Distrito Federal. Hoje, o Grupo DPSP atende seus clientes em lojas físicas, e-commerce, televendas e aplicativo. As marcas Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo levam em seu DNA uma história de confiança e credibilidade no mercado nacional da saúde, preocupando-se constantemente em oferecer excelência em seus processos e a garantia da satisfação do consumidor.

Botão Voltar ao topo