X Promoções
  • Home
  • Em Destaque
  • TSE passa a permitir procedimentos online devido à pandemia pelo novo Coronavírus
Em Destaque

TSE passa a permitir procedimentos online devido à pandemia pelo novo Coronavírus

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) está disponibilizando uma forma para que os cidadãos possam tirar o título de eleitor, regularizar e mudar a zona eleitoral online durante a quarentena do coronavírus. Esses e outros requerimentos, que antes necessitavam de atendimento presencial, serão recebidos por meio da ferramenta “Título Net” até o dia 6 de maio. A medida foi tomada com o objetivo de garantir o isolamento social e prevenir o contágio pelo novo coronavírus.

Para regularização do título cancelado, o primeiro passo é fazer a consulta de débitos no site do TSE (apps.tse.jus.br/titulonet2/consultaDebitos), emitir o boleto com o valor da multa e efetuar o pagamento. Depois é necessário acessar o Título Net (apps.tse.jus.br/titulonet2/servicos.faces) e selecionar a opção “Alteração de endereço e dados do eleitor”.

A primeira tela requer que você informe local para atendimento, que deve ser deixado em Brasil, e a Unidade da Federação (UF). Feito isso, informe o número do título (há a opção para quem não decorou), nome completo, data de nascimento, nome da mãe e do pai (ou marcar “não consta no registro de nascimento). Logo após, selecione a opção “revisão” e anexe os documentos exigidos na página.

A Justiça Eleitoral exige que o eleitor tire uma selfie segurando um documento de identificação com foto ao lado do seu rosto. O documento pode ser carteira de identidade, carteira profissional emitida por órgão criado por lei federal ou passaporte. O requerente também deve enviar as imagens frente e verso do documento de identificação e comprovante de residência.

Fonte: Globo.com | Techtudo

Publicações Relacionadas

Escola e felicidade. A educação em tempos de COVID-19

Marcos Rogério

Um novo conceito de lar surge com a pandemia

Marcos Rogério

Alunos da área de saúde poderão ajudar no combate ao coronavírus

Marcos Rogério