X Promoções
Especial

Acabou o Carnaval: é hora de repor as energias

Especialista em Fitoenergética, Patrícia Cândido ensina como recuperar as forças com os compostos fitoenergéticos depois dos dias de folia

Uma das festas mais aguardadas pelo brasileiro está chegando. E quem já pulou Carnaval sabe como a rotina de festas é agitada e cansativa. Após dias de diversão, o corpo e a mente sentem, já que além do cansaço o contato com muita gente suga de fato a energia.

Como repor rapidamente a energia depois de cair na folia?

A resposta está na Fitoenergética. Essa técnica reconhecida pelo Ministério da Saúde utiliza a energia vital das plantas para promover a saúde, o equilíbrio e o bem-estar. Na prática, uma erva ou diferentes combinações de plantas podem ser usadas durante e após as festas para restaurar as forças e o equilíbrio.

Mas quais são as plantas indicadas e como usar?

A escritora, professora e especialista em Fitoenergética, Patrícia Cândido, explica que podem ser utilizadas folhas, flores, frutos, raízes, caules e, até mesmo, sementes para fazer os compostos energéticos. Já o formato varia de acordo com o tipo e finalidade: pode ser um sachê ou patuá, spray para pulverizar ambientes, como tempero ou mesmo o contato com a planta in natura.

Segundo ela, uma das ervas mais poderosas para recuperar a energia perdida é o louro. E não tem segredo! Basta pegar a folha fresca ou desidratada e colocar no bolso. “O louro tem o poder de afastar as energias densas, por isso ajuda a purificar sua energia e mantê-la equilibrada, no lugar que você estiver”, ensina Patrícia.

Atualmente, existem 118 plantas catalogadas com suas funções fitoenergéticas, a partir de uma ampla pesquisa feita por ela e pelo químico Bruno Gimenes, que são apresentadas no Livro Fitoenergética, um estudo inédito no Brasil iniciado em 2002

Publicações Relacionadas

Saiba quais são os direitos da gestante e do bebê

Marcos Rogério

Com quantos os anos o pai pode pedir a guarda compartilhada?

Marcos Rogério

Quais os tipos de casamento no cartório?

Marcos Rogério