X Promoções
  • Home
  • Manchetes
  • DESTILADO BEBIDO COM CERVEJA CONTAMINADA TERIA EVITADO INTOXICAÇÃO
Manchetes

DESTILADO BEBIDO COM CERVEJA CONTAMINADA TERIA EVITADO INTOXICAÇÃO

Que consumir bebida alcoólica em excesso faz mal à saúde é informação pública e repetida por médicos. Até os comerciais brasileiros trazem a famosa frase, obrigatória por lei: “Beba com moderação”. Mas uma informação que veio à tona com o caso de, pelo menos 10 pessoas, contaminadas pela substância química dietilenoglicol encontrada no sangue dos pacientes acometidos por doença nefroneural e em amostras de cervejas que teriam ingerido, no fim do ano passado, é desconhecida de muita gente. Destilado bebido com cerveja contaminada teria evitado intoxicação. É, aquela cachacinha ou uma dose uísque, rum, conhaque, vodka, gin, poderiam ter livrado estas pessoas da internação ou da morte.

O uso de outro tipo de álcool, destilado, por exemplo, durante a ingestão da cerveja – ou seja, quem toma uma cachaça, uísque ou outra bebida associada – isso influencia no metabolismo do etilenoglicol. Por mais irônico que possa parecer, estas pessoas podem ter sido protegidas pelo uso de outra bebida com álcool etílico”, diz o médico e professor da Faseh Dr. Carlos Starling.

Mistura de bebidas alcoólicas pode evitar intoxicação
Dr. Carlos Starling: infectologista professor da Faseh

Ele explica: “O dietileno tem uma afinidade menor pela desidrogenase alcoólica e, com isso, é excretado sem liberar os metabólicos dele que são as substâncias mais tóxicas para rim, intestino, fígado, sistema nervoso. Então são os metabólicos (substâncias resultantes do processo de metabolismo,  intermediários das reacções metabólicas catalisadas por enzimas no organismo)”

Alívio: doença não é contagiosa

“Não se trata de doença infecciosa. Já é algo tranquilizador. Não é uma doença transmissível. Já sabemos a fonte do problema, como controlar, já temos protocolo de tratamento”. O infectologista afirma que a investigação está sendo conduzida de forma muito competente mas o trabalho não acabou. “O número de casos deve aumentar porque vários podem ter ocorrido antes de dezembro. Por isso, a investigação ampliou a análise de casos notificados anteriormente, em novembro. E, muito provavelmente, deve ampliar mais”

Publicações Relacionadas

Novembro Azul: Prevenção, Exames e Tratamentos

Marcos

Ministério Público de SP investiga relação de massacre em Suzano com grupos radicais na internet

Marcos

DOENÇA MISTERIOSA: Infectologista professor da FASEH alerta sobre boatos e explica investigação

Marcos

Deixe o seu Comentário