X Promoções
Notícias

Enfrente o desemprego em tempos de crise

Perder o emprego pode deixar a pessoa em uma posição de vulnerabilidade, se sentindo desanimada, rejeitada e com a autoestima abalada

Segundo o IBGE, o desemprego no Brasil chega a 12,5% e atinge 13,2 milhões de trabalhadores. Cerca de 5,2 milhões de desempregados procuram emprego há mais de um ano (mais de 38% dos desocupados do país), candidatos se desesperam por uma vaga.

Mas a longa espera por uma recolocação que parece cada vez mais distante pode ter razões que, se identificadas e trabalhadas pelo candidato, podem fazer com que o retorno ao mercado fique mais curto.

Perder o emprego não acontece apenas com profissionais de um determinado nível social ou escolaridade. Pelo contrário, o desemprego bateu na porta de homens, mulheres, idosos, solteiros, casados, etc.

“Isso pode acontecer com qualquer pessoa e é muito normal. Quando a pessoa fica desempregada ela geralmente tende a se culpar, pensar que não é capaz, e na verdade, uma demissão depende de você, claro, mas também depende de fatos externos, economia, caixa da empresa, vendas, etc.” esclarece a empreendedora da Francisca Joias, que já faliu três vezes, Sabrina Nunes.

Após uma demissão, o primeiro passo é tentar entender o que aconteceu. Alguns comportamentos podem deixar o profissional em risco, como a falta de atualização referente aos assuntos e novidades do setor, formação, falta de proatividade, etc.

“Agora, a maioria das pessoas estão preocupadas com a parte profissional. As pessoas percebem que precisam ter o inglês, para melhorar o currículo para manter ou conseguir emprego.”, destaca Sabrina. A empreendedora participa do Conecta Mundo, projeto que leva aulas gratuitas de inglês a moradores de Itinga, Minas Gerais.

Para driblar o desemprego, voltar para a sala de aula é uma das recomendações do especialista em negócios digitais, CEO da Codeby, Fellipe Guimarães. “O sucesso de uma carreira está pautado em três características: competências, autoconhecimento e networking.”, acrescenta o profissional.

Dicas:

1 . Avalie as opções
Não procure apenas empregos na área em que já trabalhou. Esse é o momento de abrir seus horizontes e de ganhar dinheiro, mesmo que temporariamente, com outros talentos, como artesanato, culinária, redação, marketing digital, revenda, etc. Também é possível aproveitar os recursos da rescisão para investir no sonho de empreender e abrir um negócio próprio.

2 . Qualifique-se
Caso você não possa pagar por um curso, não tem problema, existem inúmeros cursos gratuitos que além de ocupar a cabeça, podem melhorar o seu currículo. A Fundação Getulio Vargas (FGV) oferece cursos online http://www5.fgv.br/fgvonline/Cursos/Gratuitos, como “Introdução à Administração Estratégica”, “Recursos Humanos” e “Fundamentos da Gestão de TI”, etc.

O Senai e o Sesi também disponibilizam aulas livres, sem custo, https://eadsenaies.com.br, com certificação. É possível escolher entre, “Fundamentos de Logística”, “Redação Administrativa”, “Comunicação no Foco Organizacional” e “Tecnologia da Informação e Comunicação”, entre outros.

No site do Sebrae os cursos gratuitos são separados por tema, como empreendedorismo, mercado, finanças, vendas, etc. Então, é só acessar e começar.

3 . Currículo nota 10
Lembre-se: o currículo é a primeira impressão que a empresa terá sobre você, por isso, envie um documento bem escrito, organizado e sem erros de português ou de digitação.

Informe os dados pessoais — nome, telefone, e-mail e idade — atualizados. Crie um e-mail profissional e sempre fique de olho nele, porque essa é a forma de contato preferida de várias empresas.

Liste suas experiências acadêmicas (nível de escolaridade, cursos feitos) e experiências profissionais (nome da empresa, cargo, data de admissão, data de demissão e principais atividades). Não minta no currículo. Lembre-se: menos é mais, por isso, não escreva mais de 2 páginas.

Publicações Relacionadas

Belo Horizonte recebe maior evento de vendas B2B do Brasil

Marcos Rogério

Conselho Regional de Fisioterapia já cadastra profissionais para atuarem nas UTIs

Marcos Rogério

Mobilização social em prol de mulheres e suas famílias

Marcos Rogério