X Promoções
  • Home
  • Notícias
  • Redução de peso pode evitar 15 mil casos de câncer
Notícias

Redução de peso pode evitar 15 mil casos de câncer

Esse resultado indica que cerca de 4% da população brasileira sofre com os diferentes tipos de câncer

Uma pesquisa feita pelo Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), com a colaboração da Harvard University (Estados Unidos), em abril de 2018, concluiu que mais de 15 mil casos de câncer poderiam ser evitados com a redução de peso. Esse resultado significa que cerca de 4% da população brasileira sofre com os diferentes tipos de canceres.

Numa projeção futura, a situação é ainda mais alarmante, podendo agravar ao longo dos próximos sete anos. A pesquisa apontou que em 2025 a estimativa de pacientes cancerígenos atribuídos à obesidade e ao sobrepeso esbarrará num percentual de 5%, índice que atingirá em média 29 mil pessoas em todo o Brasil.

Especialistas concluem que toda essa situação decorre aos novos hábitos alimentares da população. “Vivemos uma fase de transição nutricional. Tornou-se uma epidemia no Brasil o consumo de alimentos calóricos com quantidade elevada de açúcar, sal e gordura. A partir disso, nos últimos 10 anos, houve um aumento nas prevalências da obesidade o que acabou causando um aumento no número de cânceres”, explica Dr. Henrique Eloy, especialista em cirurgia e endoscopia bariátrica e gastroenterologia.

Para o estudo, a pesquisa feita pela FMUSP e Harvard calculou a fração atribuível populacional (FAP) do câncer relacionado ao índice de massa corporal (IMC) elevado. A conclusão foi que entre os 400 mil diagnósticos anuais, cerca de 4% estavam ligados ao IMC elevado. A situação é mais preocupante entre as mulheres, nas quais 5,2% foram enquadradas – isso graças aos cânceres de ovário, útero e mama, exclusivos da população feminina.

Para os pacientes gerais (homens e mulheres) destacam-se outros 11 tipos da doença. Entre elas cólon, reto, vesícula biliar, rim, fígado, mieloma múltiplo, esôfago, pâncreas, próstata, estômago e tireoide. De acordo com o médico, essas regiões são alvo do acúmulo de gordura, consequência dos maus hábitos alimentares e também do maior consumo de produtos processados. “Isso sem contar o sedentarismo, o consumo de álcool, tabagismo e o fator genético – alguns indivíduos são mais propícios a engordar do que outros por questões hormonais”, esclarece Henrique Eloy.

Para reverter o quadro, Dr. Henrique Eloy aconselha mais atenção com a dieta e a prática de exercícios físicos. “Eu sei o quão a agenda do brasileiro do século XXI é apertada e corrida, mas é por conta desse aperto que precisamos redobrar a atenção à saúde. Inserir o esporte no cotidiano é uma obrigação universal, assim como manter uma boa alimentação e não deixar a consulta periódica com o seu médico de lado”, afirma.

Mais dados sobre a obesidade e o câncer

Segundo dados do IBGE, 40% da população brasileira tinha sobrepeso ou obesidade em 2002. Já em 2013, o total subiu para aproximadamente 60%. Considerando os mesmos fatores da pesquisa realizada pela FMUSP e Harvard, estimou-se que em 2012, cerca de 10 mil casos de câncer em mulheres e 5 mil casos em homens eram atribuíveis ao excesso de peso e obesidade aferidos dez anos antes.

Atualmente, de acordo com a pesquisa, o número de pessoas que poderiam reduzir o percentual de gordura para evitar o câncer é maior no Sul do país (3,4% de mulheres para 1,5% de homens) e Sudeste (3,3% de mulheres para 1,5% de homens).

Entre as mulheres, destaque para o Rio Grande do Sul (3,8%), Rio de Janeiro e São Paulo (ambos 3,4%). Já nos homens, temos altas nos estados do Mato Grosso do Sul e Sudeste São Paulo (ambos 1,7%).

Publicações Relacionadas

Fórum reúne empreendedores, entidades públicas e privadas para debater apoio ao microempreendedor

Marcos

Região metropolitana torna-se opção para novas moradias

Marcos

Brasileiros poderão optar para não receber ligações de telemarketing a partir da próxima semana

Marcos

Deixe o seu Comentário